Acessibilidade Universal

O conceito de Acessibilidade, no seu sentido lato da palavra, significa: assegurar a todos uma igual oportunidade de uso, de uma forma directa, imediata, permanente e o mais autónoma possível. Independentemente das (in)capacidades individuais de cada e respectiva preparação física, todos são analisados e respeitados na sua condição humana. 
 
Por muito que nos seduza a utopia presente no o conceito de “homem comum” (conceito idealizado e assumido como verdade universal), a verdade é que o único conceito que se assemelha à realidade é o conceito da “diversidade humana”. A única semelhança e padrão real é, precisamente, a diversidade que nos caracteriza e diferencia nas várias fases da vida. 

Percebendo a abrangência das diferenças físicas e sensoriais, presentes na sociedade, não será possível construir e idealizar espaços e equipamentos com o propósito de servir e agradar um “homem comum” imaginado e não real. 
 
Tendo em conta a crescente taxa de envelhecimento e respectivo aumento dos números de incapacidades entre a população, insurge-se a necessidade de dotar espaços e equipamentos de Acessibilidade, a todos os níveis. A Acessibilidade traduz-se numa oportunidade de distinção e qualidade. Pode entender-se que os espaços e equipamentos acessíveis a todos (mais recentemente designados por espaços dotados de “acessibilidade universal”) são precisamente aqueles que se encontram preparados para o futuro. 
 
O futuro das Cidades e respetivos equipamentos passa pela garantia de plena inclusão das pessoas com deficiência, pois são estes os clientes com um maior nível de exigência. Ao incluirmos estas pessoas de forma activa, independentemente da idade e (in)capacidades do momento, estaremos a potenciar a capacidade de respostas e aumentar a oferta. 
 
A acessibilidade universal deixou de ser um ponto de menor importância e passou a significar: a segurança, o conforto, a capacitação, a atractividade, o sucesso, etc...  Apenas as cidades e equipamentos verdadeiramente inclusivos, serão efetivamente as cidades sustentáveis, equipamentos válidos, espaços preparados para o FUTURO. 

Desenho Universal

O A realização de um projeto em Desenho Universal obedece a 7 princípios básicos:

1 - Utilização equitativa: pode ser utilizado por qualquer grupo de utilizadores;

2 - Flexibilidade de utilização: Engloba uma gama extensa de preferências e capacidades individuais;

3 - Utilização simples e intuitiva: fácil de compreender, independentemente da experiência do utilizador, dos seus conhecimentos, aptidões linguísticas ou nível de concentração;

4 - Informação perceptível: Fornece eficazmente ao utilizador a informação necessária, qualquer que sejam as condições ambientais/físicas existentes ou as capacidades sensoriais do utilizador;

5 - Tolerância ao erro: minimiza riscos e consequências negativas decorrentes de acções acidentais ou involuntárias;

6 - Esforço físico mínimo: pode ser utilizado de forma eficaz e confortável com um mínimo de fadiga;

7 - Dimensão e espaço de abordagem e de utilização: Espaço e dimensão adequada para a abordagem, manuseamento e utilização, independentemente da estatura, mobilidade ou postura do utilizador.

Alterar Idioma